Wednesday, September 13, 2006

 

F.I.B.R.A.


Excelsos Camaradas d'O Partido,

Como resposta ao repto lançado em O Partido para que se prestassem esclarecimentos sobre as várias facções criadas em O Partido, venho desta feita reafirmar a necessidade de existência da F.I.B.R.A., facção que ambiciono que possa ser reconhecida oficialmente.

Quero antes de mais referir que sendo membro eleito do Politburo, tendo também sido destacado como relactor oficial do mesmo, e considerando que neste momento o partido se encontra no seu auge, no seu momento mais profícuo e harmónico, como sempre desde o inicio foi o meu desejo, quase que me sinto tentado a salientar por paradoxal que possa soar, a total inutilidade da existência desta facção tal como foi apresentada no dia em que surgiu que remonta a 1 de fevereiro de 2006... http://o-partido.blogspot.com/2006/02/fibra.html

Acontece Caros Camaradas que nos tempos em que a mesma surgiu e foi apresentada, o próprio OP vivia ainda no Caos, não existiam practicamente regras definidas, propositos a atingir e o OP limitava-se a bambolear conforme os apetites pouco burocráticos de alguns pseudo "entes superiores" que apenas se limitavam a lançar algumas supostas "leis" demonstrando o seu poder e ignorando todo o propósito de criação d'O Partido que a meu ver se baseia além da Burocracia na própria Camaradagem...

Nos dias que correm a Burocracia e a Camaradagem e o próprio desenvolvimento do OP vão de "vento em poupa" e é digamos algo de que muito me orgulho e creio que qualquer um de vós camaradas deve partilhar da mesma opinião... Mas camaradas não vamos esquecer o longo periodo Negro pelo qual passou o OP, o seu longo periodo de indefinição que levou ao desalento de muitos camaradas, que elevou a descrença em algo que hoje é inquestionável... a vitória da Camaradagem e da Burocracia!!! E o que creio ser importante referir e que me faz acreditar na necessidade da manutenção desta facção é que apesar de utilizar meios muito pouco ortodoxos e burocraticos e isso admito com toda a franqueza, manteve-se fiel a O Partido durante vários meses em que o mesmo foi vetado ao abandono e à indefinição total...

Camaradas acredito plenamente que a F.I.B.R.A. usando dos meios necessários foi um dos catalisadores da recente restruturação/ definição e projecção deste novo OP... acredito que essa visão não esteja também ao alcance de todos os Camaradas (infelizmente), mas em caso de dúvida constatem o historial e tirem as vossas próprias elacções...

Neste periodo de opulencia d' O Partido duvido que seja necessária qualquer intervenção mais acirrada por parte da F.I.B.R.A., o meu desejo é que o OP, como tudo leva a crer tenha disparado de facto para uma projecção magnanime sem retorno ou cessação... Mas o futuro é sempre incerto e a F.I.B.R.A. ambiciona estar por perto para da maneira que for possivel assegurar que se mantenham a Camaradagem e a devoção aos ideiais d'O Partido que têm sido demonstrados nestes ultimos tempos...

O Propósito da F.I.B.R.A. como o foi desde o inicio, é apenas e só o de tentar fazer prevalecer os ideiais que foram a base da Criação do OP, caso a "chama" que os vais sustentando se note enfraquecer...

Viva O Partido!!!!

Viva a Camaradagem!!!!

Viva o nosso Magnanime Lider Pequenito Balariu!!!!

Viva a Burocracia!!!!

Comments:
Camarada,

A CRIP vai analisar a sua proposta, e provavelmente lancar-lhe-á uma contra-proposta, adenda ou emenda ao que foi por si apresentado.

Obrigado por se ter disponibilizado a participar nesta discussao.

Um bem-haja!
 
Até entendo que vos pareça demasiado contudente perante a aparente inocência política e apartidarismo do blog e de quem o cria
Acredito que muitos de vós como epitaph, idependente e busilis querem a galhofa e se calhar 'a sério' até são de esquerda
E conotar 'O Partido' e a sua luta com uma inglória busca da própria cauda, usando iconografia e terminologia 100% 'vermelha' pode até ser reaccionarismo inadvertido, aceito
não pensem no entanto que não há verdadeiros reaccionários entre vós que politicamente apreciam e dão sentido ao vosso nonsense
Além de que o reaccionarismo mesmo que inadvertido não deixa de o ser


«Amigo, guerra e genocidios sempre aconteceram mas os mais graves foram sempre por razões ideológicas e não económicas.»

(como a 1ª grande guerra que gestou a 2ª?!)

(como os séculos de morticinio colonial?!)

talvez seja só inocência do
pequenito


«Se reparar as sociedades financeiras apoiam o investimento de uma forma cada vez mais eficiente. Esse apoio permite a criação e a manutenção de empregos.»

talvez seja só um reaccionarismo socio-cultural moderado/centro estilo pivot telejornal por parte do pequenito


«a especulação é uma caracteristica do ser humano»

a famosa justificação para o mal natural.
e o bem também não é natural?quantas coisas nos são mais expontâneas e fáceis que cagar ou mijar e foram aprendidas?
falamos português e pensamos em português sem ter que relaxar previamente nenhum esfincter, e o portugês não é congénito, pelo contrário, é APRENDIDO

Eu não sou um especulador, tu és?
a maior parte das pessoas que conheço não são

A constatação d determinismos justificativos só serve para ocultar a doutrina numa suposta natureza subjacente

E ainda temos economistas que mentirosamente analisam a "crise" como se fossem metereologistas analisando um "ciclone"


Insisto: O Adam Smith doutrinou (um responsável), o Nash constatou (um inocente)

Se te interessas por economia e história
larga o cabrão do keynes
e agarra o Capital
do Marx


Balariu mesmo assim o que me incomodou mais foi o teu eurocentrismo
Como se houvesse alguma superioridade cultural e filosófica na canhoneira branca

(a respeito deste assunto aconselho vivamente o «Exterminem todas as bestas...» de Sven Lindqvist, CAMINHO)


Ao busilis,

"quando são putos são todos comunas"
e
"os comunistas são todos velhos"


p.s. - desculpa lá a correcção gramática oh balariu aí dou-te razão
 
Ai Leon, eu dava-lhe um sermão gigante como o que gostais de nos dar a nós, mas não me apetece. Digo-lhe só isto

Leon, sois tão chato...
 
Leon, arranje o seu próprio blog, que aqui ninguém precisa de endoutrinação. Até lhe faço o favor de lhe arranjar um título, que tal «A cassete do Leon»? Já começo a ficar um bocado cansada de lições de pseudo-política moralistas...
 
Bem já lhe tinho pedido para deixar de insultar Nash mas pelos vistos voçê não consegue. Peço-lhe novamente que pare de fazer isso pois só se ridiculariza a você mesmo.

Acerca da sua verborreia vejo que finalmente se revelou. Lê o Capital Pequenito pode ser que aprendas. Sim a biblia das ciências sociais. Vejo que é muito católico Leon e que não consegue largar o dogma.

Sem me querer alongar e observando que a falta de bibliografia e de capacidade de análise matemática é o seu fraco deixo aqui uma ideia de um economista neo-clássico acerca do comunismo como sistema económico.

Leon Walras uma das mentes mais brilhantes do inicio do século XX, economista neo-clássico e como tal defensor das ideias de equilibrio de mercado sempre se afirmou como comunista por convicção. Walras amava as pessoas ao contrário de si Leon que odeia sem conhecer e por razões ideológicas, mas sabia que as motivações individuais são fundamentais para os outputs que se obtém no todo. Rapidamente Walras compreendeu que a utopia de Marx não só era completamente irrealista como também poderia ser perigosa.

Para desmontar as teses de Marx bastou a Walras aplicar a teoria dos conjuntos coisa que se aprende cedo na escola e que parte dos principios fisicos (olhe que estes são em geral máximos especialmente quando se trata de lógica matemática deste tipo, ou seja imutaveis e intemporais). Walras observou que em geral os paises conseguiam produzir cevada de forma a produzir cerveja suficiene que permitisse uma distribuição igualitária para todos os individuos. Isso no entanto já não acontecia com outros produtos como o champagne. É fisicamente impossivel a terra dar-nos vinha suficiente para produzir esse produto tão apreciado (não tem nada a ver com os capitalistas mauzões, são limitações fisicas só isso). Walras depressa constatou que no caso deste produto (poderiam ser muitos outros) iria existir escassez face à procura de champagne, sendo que seria impossivel distribuir uma garrafa de champagne por todos os habitantes de um pais.

Constatando isto Walras propôs três situações para lidar com esta situação num contexto de um sistema económico.

Em primeiro lugar poderiamos produzir e vender o que se produzia mas isso iria originar uma economia de mercado pois iria ser formado um preço através da procura e da oferta que provocaria exclusão pois existia escassez na oferta provocada por fenómenos fisicos (se os donos do champagne se aproveitam disto para retirar maiores lucros então ai Nash ajuda-nos mais que os neo-classicos mas não é isso que interessa aqui).

Excluindo esta hipótese para uma economia comunista Walras teorizou a hipótese de não se produzir champagne. Mas isso era um pouco irrazoavel pois a motivação de se produzir este bem de inegável qualidade e elevada procura só poderia ser conseguida através da constituição de um estado policial gigantesco que garantisse tal coisa (Produtores ilegais e contrabandistas há às porradas, tal como os especuladores, nem as teses de Mao ou Pol Pot conseguiram combater a natureza humana como se pode observar hoje no Cambodja e na China).

Por último Walras definiu o que iria acontecer num estado comunista. Seria produzido champagne mas de forma a evitar uma comercialização deste produto dentro da perspectiva de mercado, a única forma possivel dentro da ideologia marxista de o fazer seria entregar o champagne elite reinante dentro do sistema comunista. Walras não poderia dizer qual seria a forma de se atingir a elite neste sistema como compreende, mas compreendia que em qualquer sistema surgem sempre elites. Sem fazer futurologia Walras acertou em cheio. No final do comunismo na União Soviética a elite do PCUS era dono de tudo e pode-se dizer de todos os recursos naturais. No entanto a economia tinha colapsado por falta de bens de primeira necessidade entre outras coisas. O sistema de Marx tinha-se revelado bastante parecido a todos os sistemas que se organizam hierarquicamente de uma forma não competitiva (monarquias absolutas, estados fascistas, estados feudais, entre outros).

Não querendo comparar nomenclaturas comunistas e capitalistas digo-lhe apenas que é mais justo podermos pagar para ter champagne do que nunca o ter. Também na India colonial os agentes da altura preferiram o poder Inglês ao poder Mongol (pois é não só os europeus que são imperialistas, podemos no entanto sempre discutir quem foram os mais nefastos para o estado de coisas actuais).

Bem então qual é o problema das teses de Marx? Porque é que qualquer homem inteligente consegue rapidamente perceber que um sistema comunista rapidamente se torna num sistema de repressão e de elites baseadas em nomenclaturas ideológicas (ou direi melhor palacianas)? É basante fácil. As teses de Marx baseiam-se sempre na perspectiva que um grupo de individuos oprimidos se vai rebelar e organizar de forma a produzir um sistema que os benefecie mas esquece-se das motivações individuais que todos os individuos têm. Aqui Nash ajuda-nos. Nash prova que nenhum equilibrio é sustentavel se existir alguém que o possa furar e obter lucro dessa forma. Esse tipo de equilibrio só é sustentavel perante um sistema de compensações e castigos. Assim o longo prazo o equilibrio só será sustentavel num constexto competitivo em que cada um sabe que furar o sistema será penalizador no futuro. Bem coloque esta realidade no sistema marxista e rapidamente compreende que mais tarde ou mais cedo a matança vai começar pois no comunismo não pode haver competição o que torna o sistema de recompensas e penalizações como a única base para o equilibrio.

Acerca da teoria do bom selvagem que foi destruido pelo vil europeu recordo-lhe aqui alguns factos da história. Os russos que costumam governar são também eles todos europeus de origem eslava entre outras. Terá sido o regime soviético tão diferente do regime dos czares em muitos aspectos? Julgo que não. Baseou-se também ele na conquista e opressão dos povos vizinhos. Se tem dúvidas pergunte a si mesmo como subiu tão rapidamente Krushov na hierarquia do PCUS durante os anos de Stalin. Acha que era por ser um porreiro, o tal comunista com uma face humana. Pergunte aos ucranianos pois enquanto Krushov esteve por lá antes de ser Secretário-Geral dizimou 1 milhão deles. Pense também na hierarquia dos assassinos do século XX. No pódio e por ordem encontram-se Mao, Stalin e depois Hitler. Hitler ganha por crimes de ódio nomeadamente contra judeus. Mas olhe que mesmo matando catrafadas de russos Stalin ainda o ultrapassou neste campo especifico, sendo que em anti-semitismo activo e genocida detém um belo segundo lugar. Agora o Mao ninguém bate, nem ninguém percebe. Sem ter participado na carnificina de nenhuma das grandes guerras Mao conseguiu ultrapassar todos estes números de forma a obter a medalha de ouro. Não me diga que Mao matava porque os capitalistas mandavam. Mao matava directa e indirectamente milhões de chineses por questões puramente ideológicas e de poder.

Como julgo que a sua ignorância é mesmo muito grande deixo-lhe aqui um conselho. Cuidado com o que defende. Também muitos que se levantaram para defender a revolução francesa, a revolução dos oprimidos tiveram o mesmo fim, a guilhotina. O que começou como um principio filosófico engrandecedor tornou-se num espectaculo vil de decapitações na praça central. Cuidado com os seus companheiros pois olhe que num sistema baseado na ideologia vamos parar à guilhotina mais depressa do que julgamos. O poder nesse tipo de sociedades constroi-se de outra forma. Ser ideológicamente puro é irrelevante quando estamos perante lutas de poder. Que o digam os anarco-sindicalistas que contribuiram para a revolução de outubro. Logo a seguir perceberam que o Trotsky não era aquele velhinho simpático que nos querem vender. Como também o Trosky depressa percebeu que a sua posição no PCUS de pouco valia na questão da sucessão a Lenine.
 
se calhar sou de esquerda..se calhar sou de direita...se calhar gosto de super bock...se calhar gosto de sagres...se sou contra leon sou o mal...se sou a seu favor tenho de ser como ele...se gosto do fmi de jose mario branco tenho de ter ideais!!! O OP esse grande mal...goza com o bom nome de leon..alguem..esquerda...direita.
Leon ensina..leon tem a verdade...aprende-se tanto com leon!! Sou feliz por dizer q sou contra o mal do mundo..vou fazer manifestação e um moral para n me sentir culpado...Voces n seguem a minha doutrina..sao o mal!!! Eu cá n tenho culpa n é leon?
A culpa é dos outros... o mal ta no vosso blog...como ousam voces brincar com a esquerda!!!??Leon fica chateado.
Camarada pode opinar a vontade...mas n queremos liçoes...n ha paciencia...
voces sao aquilo..voces sao assim, voces n comem pães com passas...voces n usam bibe...voces n gostam de marinha mercante, voces...eu tu...camarada aprenda a respeitar.
1º secretario do secretariado do OP Partido burocrata!!
 
O texto tao grande e p compensar o pequenito balariu?
 
Este terrorista cremilda está já marcado para ser alvo de um blitzkrieg. Mas é bom saber que é daqueles que quer subir na lista de alvos.

Viva o OP!!!!!!!! Viva a Camaradagem!!!!!!!!!!!!!
 
Oh balariu já leste o Capital?
 
O balariu não leu o Capital de leste?
 
Oh Balariu não leste o Capital de leste?
 
Capital ao léu, Capital ao léu...
O Leo Lima não leu o Capital ao léu!
 
O Leon não leu o Capital de Leste do Leo Lima ao léu?
 
Leon, Leon... não leste o Capital do Leste do Leo Lima ao léu!
 
Leon lima as unhas do Léo Lima ao léi enquanto diz "Balariu, não leste o Capital do Leste!".
 
Post a Comment



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?